Espaço para desvanecer a cada instante. Aqui se encontram textos, imagens e gráficos de vários autores. Sempre precisei colecionar o que eu chamo de figurinhas mágicas. São cartas que abrem novos horizontes e paisagens. Então, boa viagem ;)

sábado, 11 de julho de 2009

SOBRE O ÊXITO - Michel Echenique Isasa

Continuaremos tratando da Vocação, este tema já comentado nos artigos dos números anteriores da nossa revista Esfinge. Do ponto de vista da vocação, o êxito não é uma questão aleatória, o que pode ser demonstrado através de algumas premissas básicas:

1ª.) O êxito não depende de que tenhamos recebido inteligência ou dons especiais, também não depende de uma educação esmerada ou de uma posição social, de ter trabalhado duro, e menos ainda da sorte.

2ª.) A diferença entre êxito e fracasso não é tão grande quanto parece.

3ª.) O êxito é questão de compreender e praticar religiosamente certos hábitos específicos e simples, ditados pelo senso comum. E entender que para alcançá-lo devemos dar uma série de passos que paulatinamente nos conduzirão até ele.

Uma vida de êxito é a soma de muitos anos de êxito, os anos de êxito são a soma de meses de êxito, de semanas, de dias, de horas, enfim, de momentos de êxito. O que vale não é uma vitória ocasional, mas os pequenos triunfos consecutivos, o que em definitivo nos levará a desfrutar de uma vida de êxito.

Todos obtemos resultados, mas o importante é que sejam positivos.

Existem dez hábitos, muito fáceis, mas importantes, que necessariamente se devem adquirir e cultivar para alcançar êxito na vida:

1. O hábito da realidade: devemos aprender nos posicionar de acordo com aquilo que é e com aquilo somos, não com o que gostaríamos que fosse nem com o que gostaríamos ser.

2. O hábito da atitude mental positiva: devemos saber o que queremos e ter uma fé inquebrantável na vitória final. Para isso, devemos saber que existem quatro realidades básicas:

· Os problemas são parte da vida. Eles correspondem aos passos que devemos dar para desenvolver o nosso cominho, que nos permite triunfar.

· Lei de equilíbrio. Cada fracasso espalha as sementes de um triunfo equivalente. Tudo leva consigo seu contrário, que o equilibra e harmoniza.

· Lei das porcentagens. Para que apareça a compensação é só questão de tempo. Na acumulação de intentos está o segredo para finalmente chegar ao triunfo. Portanto, deve-se saber esperar, pois mais cedo ou mais tarde chegará o percentual de possibilidades que nos pertencem para conseguir o que procuramos.

· O poder da mente. Para triunfar, temos que nos imaginar triunfantes. Triunfante não é quem sempre vence, mas quem tem sempre mentalidade positiva. A mente é um paradigma expansivo, e quando a usamos de forma correta ela nos traz todas as ferramentas que colaboraram sem dúvida para encontrar as soluções dos problemas.

3. O hábito da perspectiva: é a capacidade para contemplar as coisas em seu relativo nível de importância, ou seja, ficar um pouco acima, olhar os problemas de uma certa distância. Este hábito inclui um método para resolução de conflitos:

· não fugir jamais de um problema;

· reconhecer o problema;

· aceitá-lo;

· integrá-lo a nossa vida;

· desenvolver uma tática para a solução;

· solucioná-lo de forma global.

4. O hábito de viver o presente: é a capacidade de ter objetivos imediatos, cotidianos. Temos de ser capazes de ver o conjunto da nossa vida, o que é importante, o que realmente queremos fazer, e ser capazes de trazê-lo ao nosso dia-a-dia.

5. O hábito de viver o que cremos: ser morais, coerentes entre o nosso comportamento e aquilo em que acreditamos. Ser capazes de sonhar e lutar para conquistar nossos sonhos.

6. O hábito de nos relacionar com os demais: o importante neste ponto é conseguir a cooperação de todos, e para isso existem regras:

· dar sempre mais do que esperamos receber;

· merecer o respeito dos demais sem procurá-lo;

· ser muito claros em nossas comunicações;

· não falar dos nossos problemas com os demais;

· cumprir todos os nossos compromissos

· agir com tato;

· reconhecer quem faz algo bom.

7. O hábito da simplicidade: de todos os caminhos que encontrarmos para solucionar um problema, devemos escolher o mais acessível, o mais simples de se fazer.

8. O hábito de procurar pessoas adequadas: é fundamental selecionar bem as pessoas com quem trabalhamos e não aceitar trabalhar com pessoas que tiram tempo, energia, paz ou dinheiro.

9. O hábito da autodisciplina: é a capacidade de nos concentrarmos na hora de fazer um trabalho, ou seja, não divagar nem ter em mente outros assuntos, ou o que faremos depois. Enfim, sermos em todo momento os donos de nós mesmos e controlar o nosso próprio destino.

10. O hábito da ação: deixei este hábito por último porque é o mais importante de todos. O conhecimento é inútil sem ação. Isso parece óbvio, porém estamos limitados por uma série de barreiras que dificultam agir e que nos freiam. Essas barreiras são basicamente:

· resistência a mudanças;

· tendência de esperar que aconteça alguma coisa que nos resolva o problema;

· sentirmo-nos abalados;

· esperar ter tudo na mão antes de começar qualquer empreendimento;

· a dúvida;

· a adversidade que não desejamos.

Finalmente, para alcançar o êxito, é importante nos convencermos de que deixar de agir constitui o maior de todos os perigos. Se não tomarmos a iniciativa, os acontecimentos controlar-nos-ão. Devemos escolher nossa forma de vida. Não podemos esquecer que a lei natural de equilíbrio diz que quanto mais tempo se trabalha para conseguir algo, maior significado representa a sua conquista, e que cada fracasso, num processo de eliminação, nos aproxima mais um passo do êxito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Archivo del blog