Espaço para desvanecer a cada instante. Aqui se encontram textos, imagens e gráficos de vários autores. Sempre precisei colecionar o que eu chamo de figurinhas mágicas. São cartas que abrem novos horizontes e paisagens. Então, boa viagem ;)

sexta-feira, 30 de abril de 2010

Além dos sentidos…

Um amigo da dança me passou esse texto do Cazuza, achei lindo por isso posto aqui tb. Yiuki

"Olhar o mundo
com a coragem do cego
Ler da tua boca as palavras
com a atenção do surdo
Falar com os olhos e as mãos
como fazem os mudos"

Agenor de Miranda Araújo Neto (Cazuza)

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Precisamos entender o elemento Terra para tocarmos o Céu.

Hoje percebo que existe uma seqüência para entendermos os elementos da natureza dentro da nossa consciência física. Primeiro precisamos aceitar a TERRA, sentirmos o apoio dela e entregarmo-nos a ela. Depois sermos como a ÁGUA com a sua fluidez. Após isso podemos entender a MADEIRA, não aquela seca e sim aquela permeável e que transporta a água e a vida. Com isso tudo entenderemos melhor o AR e o FOGO. Mas o que achei mais interessante nesse processo é que precisamos começar pelo  elemento TERRA para um dia chegarmos ao CÉU. Yiuki

P.S.1 – O que mais diferencia o Fogo da Água é o uso da gravidade e por isso que o começamos pelo elemento Terra.
P.S.2 – Se não nos entragarmos à Terra, nem conseguiremos respirar corretamente.

Companheiro tempo

Tempo é a capacidade da energia transpor entre matérias, espíritos e o plano que vivemos alterando cada uma delas. Ele é variável, pois é resultado da conectividade e interação entre esses três elementos que estão em constante mudança. Assim é bom entender que o tempo não existe para nos corroer; ele existe para a evolução da matéria física ao espiritual. Uns chamam isto de envelhecimento, outros de amadurecimento. Creio que entender o tempo é estar ancorado no presente e interagir com este mundo encantador com certo desapego material para que um dia possamos esvanecer de bem com o espírito. Yiuki Doi

domingo, 25 de abril de 2010

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Quando me amei de verdade - Charles Chaplin

Quando me amei de verdade, compreendi que em qualquer circunstância, eu estava no lugar certo, na hora certa, no momento exato.
E então, pude relaxar.
Hoje sei que isso tem nome... Auto-estima.
Quando me amei de verdade, pude perceber que minha angústia, meu sofrimento emocional, não passa de um sinal de que estou indo contra minhas verdades.
Hoje sei que isso é...Autenticidade.
Quando me amei de verdade, parei de desejar que a minha vida fosse diferente e comecei a ver que tudo o que acontece contribui para o meu crescimento.
Hoje chamo isso de... Amadurecimento.
Quando me amei de verdade, comecei a perceber como é ofensivo tentar forçar alguma situação ou alguém apenas para realizar aquilo que desejo, mesmo sabendo que não é o momento ou a pessoa não está preparada, inclusive eu mesmo.
Hoje sei que o nome disso é... Respeito.
Quando me amei de verdade comecei a me livrar de tudo que não fosse saudável... Pessoas, tarefas, tudo e qualquer coisa que me pusesse para baixo. De início minha razão chamou essa atitude de egoísmo.
Hoje sei que se chama... Amor-próprio.
Quando me amei de verdade, deixei de temer o meu tempo livre e desisti de fazer grandes planos, abandonei os projetos megalômanos de futuro.
Hoje faço o que acho certo, o que gosto, quando quero e no meu próprio ritmo.
Hoje sei que isso é... Simplicidade.
Quando me amei de verdade, desisti de querer sempre ter razão e, com isso, errei muitas menos vezes.
Hoje descobri a... Humildade.
Quando me amei de verdade, desisti de ficar revivendo o passado e de preocupar com o futuro. Agora, me mantenho no presente, que é onde a vida acontece.
Hoje vivo um dia de cada vez. Isso é... Plenitude.
Quando me amei de verdade, percebi que minha mente pode me atormentar e me decepcionar. Mas quando a coloco a serviço do meu coração, ela se torna uma grande e valiosa aliada.
Tudo isso é... Saber viver!!!

Charles Chaplin

Seguidores

Archivo del blog