Espaço para desvanecer a cada instante. Aqui se encontram textos, imagens e gráficos de vários autores. Sempre precisei colecionar o que eu chamo de figurinhas mágicas. São cartas que abrem novos horizontes e paisagens. Então, boa viagem ;)

domingo, 1 de junho de 2008

AMOR PLATÔNICO - Yiuki

No olhar nenhuma lágrima a cair.
Por que chorar a perda daquilo que nunca tive?
No peito vazio, o vento parecia passar direto.
Se pelo menos pudesse provar o meu amor...
Nem isso eu pude.
O que vale as palavras ditas se já desapareceram no ar?
Nada, apenas nada...
Por você, teria feito as maiores loucuras de amor.
O Evereste eu encararia.
Nos carros teria me jogado.
A família e o emprego?!
Eu largava-os. Insano? Brega?
Pode ser, mas agir de cor todos precisam.
E é isso que enaltece o amor: A coragem.
Contudo, nada adianta se a pessoa amada não corresponde.
Dar vazão e ser retribuído é primordial para viver o amor.
Mas isso não aconteceu e o mundo nada testemunhou.
Ninguém, a menos eu, saberás a imensidão e o limite que ele alcançaria.
Percebi tristemente que ele existia apenas na minha cabeça.
Ao mundo ele nunca fez a diferença.
Então, qual é o real significado dele?
O porquê desse sentimento sagrado e divino se não faz diferença nenhuma ao mundo?
Semanas passam e o vazio continua a me incomodar.
Fechava os olhos e a sua imagem perdurava na minha cabeça.
O tempo arrastava parecendo estagnar a vida.
Foi então que comecei a lembrar dos meus outros amores.
Amores que o tempo fez com que os apagassem do coração.
Mas lentamente, eles começaram a se juntar com o seu rosto.
Percebi nesse momento, que os sentimentos que tive por eles ainda existiam.
Com o passar dos anos imaginei que tivessem desaparecidos.
Mas não, eles apenas estavam ocultos e dissimulados.
Apenas faziam parte de um todo maior que é o meu amor por você.
Estavam sempre no mesmo lugar, eu que tinha perdido-os.
Pouco a pouco, a tranqüilidade tomava conta de mim.
Sobre leve sorriso as lágrimas caíram.
E eu senti o gosto salgado.
Percebi então, o mundo a minha espera. Sempre no mesmo lugar.
Do silêncio o som nascia e a luz estava a abrir as paisagens.
Respirei profundamente e tentei escutar o meu peito.
A batida quase parando parecia acelerar pela descoberta.
Mas entre as batidas percebia-se ainda a dor.
Só que era uma dor leve e suave, não era mais dilacerante.
O vazio que me incomodava tinha desaparecido.
Então consegui enfim olhar o mundo com a vontade de desvendá-lo.
Procurar algo nele para sentir e viver.
Correr e ver o horizonte a me esperar.
Hoje consegui perceber que o amor não acaba nem morre.
Ele apenas passa por momento de latência e de amadurecimento.
O amor que eu tenho por você só existe por causa dos outros que tive.
E esse, o tempo irá silenciar e acalantá-lo a espera de outra oportunidade.
Mas quando chegar o momento certo ele ganhará vida e forma.
Conhecerá os raios de sol, sentirá a brisa do mar e escutará a música.
E sei que nessa hora, o mundo saberá o amor que tenho por você.
Yiuki Doi

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Archivo del blog